(31) 9 8933-2498

Vale: mais duas barragens a montante em Minas foram eliminadas em julho

Barragem do Baixo Joao Pereira, em Congonhas, em 21/03/2018 (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

Uma barragem ficava em Congonhas e a outra em Itabira; até agora 9 de 30 estruturas do modelo foram desativadas no estado

01/08/2022 às 13h32

Mais duas barragens a montante, do total de 30, foram eliminadas pela Vale no mês de julho deste ano. São elas a barragem Baixo João Pereira, na Mina Fábrica, em Congonhas (MG), e a do Dique 4 da barragem Pontal, em Itabira (MG).

Segundo a empresa, nove estruturas como essa no estado já foram eliminadas desde 2019. A meta é que 40% do total de 30, 12 barragens a montante, sejam eliminadas até o fim do ano. A previsão é do Programa de Descaracterização da empresa.

De acordo com a Vale, essa “é uma das principais ações da empresa para evitar que rompimentos como o da barragem em Brumadinho voltem a acontecer” e que “as obras de descaracterização são complexas, com soluções customizadas para cada estrutura e estão sendo realizadas de forma cautelosa”.

 

Os processos de descaracterização estão sendo acompanhados pelos órgãos competentes e pela auditoria técnica do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), segundo o comunicado da empresa. Cerca de 4.800 pessoas trabalham dentro do Programa.

Baixo João Pereira, em Congonhas

A barragem Baixo João Pereira continha 72 mil m³ de sedimentos, que passaram a ser dispostos em pilhas de estéril da Mina Fábrica. Segundo a Vale, a barragem tinha Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) positiva e não havia moradores dentro da Zona de Autossalvamento (ZAS).

 

230 trabalhadores de Congonhas estiveram envolvidos na eliminação da barragem. Uma nova barragem começou a ser construída no local, e deve ser concluído até o fim de 2022.

Dique 4 , em Itabira

Sem receber rejeitos desde 2014, foram 3,7 milhões de m³ de material removido no Dique 4, disposto em área dentro do Sistema Pontal. Não havia moradores dentro da Zona de Autossalvamento (ZAS).

Cerca de 130 trabalhadores atuaram na eliminação da barragem, e 70% deles são de Itabira. Obras de revegetação e drenagem ainda seguirão ao longo do semestre.

 

A estrutura de contenção de Coqueirinho, também na região, já foi construída. O Dique 3 da barragem Pontal e a barragem Ipoema, em Itabira, devem ser eliminados ainda em 2022, junto ao Dique Auxiliar da barragem 5, na Mina Águas Claras, em Nova Lima (MG).

O que é barragem a montante

Barragem a montante é o método mais arriscado para a construção de barragens, sendo que os dois desastres acontecidos em Minas, em Mariana (2015) e Brumadinho (2019), envolviam estruturas deste modelo.

 

Ao todo, foram mais de 280 mortes nas duas tragédias. 

 

A Lei 14.066, de 2020, fez uma alteração da Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB), e passou a exigir a descaracterização deste modelo.


Voltar

Confira também:





CNPJ: 09.621.428/0001-26
Agência Minas de Radiojornalismo
Rua Dom Viçoso, 217. Mariana - MG.
© 2017 - 2022 | Desenvolvido por Masterix Sistemas