(31) 9 8933-2498

Cuidando da saúde mental em tempos de pandemia


08/04/2020 às 10h45

 

O momento pede que todos fiquem em casa, visto que o isolamento social tem sido a principal arma contra a proliferação coronavírus (Covid-19). Entretanto, o período de quarentena não é nada confortável. Afinal, a sociedade precisa lidar com o distanciamento de entes queridos, a restrição do direito de ir e vir e as incertezas que rondam a doença. 

 

A psicóloga clínica Mariléia Marques, explica que é necessário ficar atento para que os impactos negativos relacionados à quarentena não tragam consequências à saúde. Estresse agudo, humor deprimido, irritabilidade, sono desregulado, exaustão emocional, nervosismo, medo, raiva, ansiedade e preocupação com perdas financeiras estão entre os problemas que podem surgir no período.

 

Entende-se por isolamento social o indivíduo que se encontra separado dos demais devido a forte suspeita ou contaminação confirmada pelo COVID 19. Já a quarentena são pessoas que tiveram contato com alguém que foi contaminado e precisam se manter afastados.

O distanciamento é esse movimento que temos percebido onde as pessoas se locomovem, mas mantêm um distanciamento junto as medidas preventivas do ministério da saúde, evitando assim o contato mais próximo com o restante da população.

 De acordo com esses termos, quarentena, isolamento ou mesmo distanciamento podemos evidenciar algumas mudanças nos padrões comportamentais da sociedade em geral. E isso de certa forma vem acarretando uma série de problemas de ordem psicológica e caso medidas preventivas não venham ser tomadas, podemos chegar a um colapso tanto na saúde física, quanto mental, visto que nosso cérebro se comunica com o nosso corpo de forma ininterrupta. Diante desta pandemia que estamos vivendo nos últimos meses, que é algo novo para nossa geração, ainda não temos estudos suficientes a respeito das reais consequências dessa pandemia para a psique humana. Levando em conta as reações do nosso cérebro frente ao desconhecido, ou mesmo aquilo que não temos o controle, podemos entrar em um estado de alerta constante, aumentando a liberação do cortisol, em níveis alterados podem causar vários problemas desestabilizando o nosso sistema imunológico, acarretando assim uma série de problemas dentre os quais poderíamos citar alguns.

 

  • Estresse e ansiedade, que evoluem para quadros de nervosismo, inquietação, irritação, insônia, pânico, medo excessivo e até mesmo irracional da morte.
  • Tédio, vazio e frustações. Esse vazio causado por esse isolamento muitas vezes tende -se a ser preenchido de forma incorreta, com uma alimentação nem sempre equilibrada, como também com compulsão por gastos muitas vezes desnecessários para o momento, via internet. Diante desse quadro uma informação importante levantada um site de vendas nesse curto período de tempo já contratou milhares de funcionários para atuarem nas vendas, nesse período pandêmico
  • TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), devem ter cuidado redobrado já que podem ter um sofrimento ainda maior neste tempo de crise.
  • Depressão, um transtorno também caracterizado por pensamentos negativos predominantes.
  • Desesperança, o ser humano quando perde a esperança ele deixa de viver, tem uma baixa na resistência o que pode tornar mais complicado qualquer situação que surja, agravando os sintomas de uma possível contaminação.

 

Fazer assepsia mental

Podemos dizer que o nosso cérebro responde o tempo todo a estímulos negativos, quanto positivos, e aqui particularmente estamos falando de estímulos extremamente negativos, que se tornam nocivos desencadeando uma série de problemas físicos quanto emocionais, como já dissemos anteriormente. O ideal nesse momento é procurar preservar o máximo a nossa mente, fazendo uma assepsia mental, evitando na medida do possível de ver e ouvir noticiários desastrosos, não quero dizer aqui que não devemos nos manter informado, mas sim que haja limite, um equilíbrio, porque tudo em excesso pode causar danos.

Procurar preencher o cérebro com conteúdo que proporcionem prazer, focando em pensamentos positivos, pensando de forma crítica sobre o que é ou não importante para vida e de que forma essas notícias edificam ou não. Crie novos hábitos de vida, aproveite esse momento e reforce os laços de afeto, procure aqueles que você ama, mesmo de forma virtual, pois o tempo tem sido propicio a isso, seja generoso com seu próximo, ame sem reservas e demostre amor, em vez de espalhar o pânico. Escolha bons filmes, boas músicas. Faça exercício físico pelo menos 30 minutos por dia. Tire tempo em especial para cuidar do Espírito, através de orações preces e meditações. Busque internalizar a paz em você.

E para finalizar termino aqui dizendo: não bombardeie a sua mente com notícias ruins, mas procure combater de forma eficaz, não deixando de manter as medidas preventivas e que  tenhamos o bom senso de que tudo nessa vida passa e que não sejamos iludidos a ponto de pensar que temos o controle de tudo em nossas mãos.

A psicóloga, finaliza dizendo que se alguém vivenciou ou esteja vivenciando situações geradoras de estresse e ansiedade por conta do enfretamento a pandemia, poderá buscar ajuda de um profissional da psicologia para minimizar esse momento difícil com a maior tranquilidade possível.  

 


Voltar

Confira também:





CNPJ: 09.621.428/0001-26
Agência Minas de Radiojornalismo
Rua Dom Viçoso, 217. Mariana - MG.